Para Ler, Ver e Ouvir!

quarta-feira, 17 de julho de 2019

12 Séries Memoráveis Exibidas no Nick at Nite

Sempre redirecionado a entreter jovens e crianças, o canal pago Nickelodeon lançou em 2006 o bloco "Nick@Nite" (Nick at Nite), dedicado às comédias dos anos 60 a 90. Entre 22h e 6h da manhã, de segunda a domingo, o "Nick@Nite" exibiu algumas séries e muita dessas atrações nem era da minha época. Eu nem ''sonhava'' em existir, mas pude acompanhar algumas delas e BOOM... precisei fazer essa lista para matar a saudade de algumas dessas produções.

Ilustração: OPlanetaAlternativo.com

O Nick at Nite surgiu lá nos Estados Unidos em 1985, ocupando a grade noturna do Nickelodeon, com o objetivo de exibir séries clássicas, produzidas entre as décadas de 1950 e 1970. No Brasil, a Nickelodeon estreou o bloco noturno "Nick at Nite" apenas em 2006, trazendo comédias dos anos 60 aos 90. Com isso, os brasileiros puderam rever Primo Cruzado, Alf, o ETeimoso, Mork & Mindy, A Família Addams, Os Monstros, A Feiticeira, Jeannie é um Gênio, Vivendo e Aprendendo (Facts of Life) e Minha Família é uma Bagunça (Diff'erent Strokes), todas dubladas em português. Sem dúvidas, o auge do bloco foi no período de 2006-2009.

Para começar, começo com uma das minhas favoritas, Fresh Prince!!!

1. Um Maluco no Pedaço
(The Fresh Prince of Bel-Air, 1992-1996)

Um Maluco no Pedaço
Will (interpretado por Will Smith) é um jovem negro que adora Rap!!! Sua mãe acha que ele precisa ter uma educação mais séria e por isso o envia para a casa dos tios Banks!! Will se dá muito bem com a atrapalhada família (são todos negros ricos): o tio Phil, um homem sério e comilão, o babaca do primo Carlton, a consumista e fútil prima Hillary, a complexada adolescente (prima Ashley) e o formal mordomo, Jefrrey! Will logo se enturma na escola e só aumenta as trapalhadas da família Banks!

No início Will não se dá muito bem, pois sendo um garoto humilde, não comporta-se de maneira adequada, além de mostrar-se desinteressado pelos estudos e ainda arrumar várias atrapalhadas para a família de seus tios e primos na sofisticada casa.

Mas com o tempo e com seu jeito relaxado e tranquilo, Will conquista desde o comilão tio Phil, o tonto do primo Carlton (interpretado por Alfonso Ribeiro), a consumista e fútil prima Hillary (interpretada por Karyn Parsons), Ashley (interpretada por Tatyana Ali) a complexada adolescente e até o formal mordomo Jefrey (interpretado por Joseph Marcell).

A série até os dias de hoje é reprisada tanto pelo SBT, como pelo Comedy Central. Também está disponível na Netflix Brasil. Vale a pena se divertir com a série.

2. Alf o ETeimoso
(ALF, 1986-1990)

Alf, O ETeimoso
Gordon Shumway, o último sobrevivente do planeta Melmac, pousa com sua espaço nave na garagem da família Tanner. Willie é o apelido de ALF, uma abreviação para "Alien Life Form" (Forma de Vida Alienígena). Depois de convencer o Exército de que eles não estão abrigando uma criatura do espaço, os Tanners decidem assumir Alf como um membro da família. 

O chefe da família, Willie, sempre foi fascinado pela ciência. Apesar de ir contra sua mulher Kate, Willie aceita o alienígena como novo membro da família. Os filhos do casal, Lynn e Brian, adoram ALF. E ALF adora todos, até Lucky o gato da família. A família tem que esconder o alienígena das outras pessoas, inclusive dos vizinhos fofoqueiros.

ALF tem o corpo coberto por pelos, um rosto cheio de curvas lunares faciais, oito estômagos e gosta de comer gatos. Foi a escola preparatória por 122 anos e chegou a capitão da equipe de “Bouillabaisseball”, esporte que se joga usando moluscos como bolas. Sua frase preferido é “não tem problema”.

Até um tempo atrás estava sendo exibida no canal TCM, então vale ainda a pena a ver a série. 

3. Minha Família É uma Bagunça / Arnold
(Diff'erent Strokes, 1978-1986)

Diff'rent Strokes
Diff’rent Strokes (''Minha Família é uma Bagunça'' na Nickelodeon e ''Arnold'' no SBT) foi estrelada pelo então ator-mirim Gary Coleman e nunca foi exibida no Brasil.

A série foi uma das mais populares sitcoms do início dos anos 80 no mundo. Philip Drummond (interpretado por Conrad Bain), membro de uma família branca e rica de Manhattan, adota os dois filhos negros e pobres de sua empregada que falece no  primeiro  episódio. São eles, Arnold (Coleman), de oito anos e Willis (Todd Bridges), de 13. A série fala basicamente sobre as diferenças culturais entre as raças com muito humor.

Vários episódios da séries entraram para a história da tevê, como um sobre abuso de menores, outro sobre o perigo dos fumantes desenvolverem câncer, outro em que se mostrou o consumo de drogas na escola (e que teve como convidada a então Primeira Dama americana, Nancy Reagan), e outro que teve a participação do ator anão Hervé Villechaize (o Tatu de Ilha da Fantasia), dando a entender que Arnold teria algum tipo de problema de crescimento.

Diff’rent Strokes foi criada especialmente para sua estrela principal, Gary Coleman (quem interpretou Arnold). Coleman parece uma criança de oito anos, mas tinha 17 na verdade. Uma infecção renal lhe impediu de crescer normalmente. Um desenho animado com Coleman foi exibido no Brasil pela Rede Manchete: Andy, o Anjinho da Guarda (The Gary Coleman Show).

Anos depois foi ao ar no SBT com o nome de ''Arnold'' e com uma dublagem bem diferente da Nick. Mas diferente da Nick, o SBT exibiu exibiu todas as temporadas da série (pelo menos eu acho), pois tinha até episódio que o Arnold estava com aparência mais envelhecida e ainda tinha um garotinho que viviam com eles na casa e Kimberly já não estava mais presente na série. Alguém me corrija aí se eu estiver errado.

4. Vivendo e Aprendendo
(Facts of Life, 1979-1988)

Vivendo e Aprendendo
Vivendo e Aprendendo mostra o convívio da Sra. Edna Garret (interpretada por Charlotte Rae) com as alunas da escola Eastland, onde torna-se nutricionista e depois abre seu próprio negócio – sempre com o auxílio de algumas das meninas. As jovens experimentam as alegrias e tristezas de estar sob os cuidados da querida Edna Garret. 

As quatro colegiais centrais da série eram a Dorothy “Tootie” Ramsey, uma garota afroamericana, a mais sensível e inocente do grupo; Blair Warner, uma garota muito atraente e alegre, sempre com muitos pretendentes e muito feminina, apesar de ser um pouco “cheinha”; Natalie Green, uma garota extrovertida, a mais tagarela do grupo e não conseguia namorar por ser gorda, mas dizia ter tido muitos namorados, que nunca apareciam no espetáculo e Joana Maria “Jo” Polniaczek, que tinha um temperamento muito forte devido a sua criação no bairro do Bronx.

Todas elas e também as outras alunas do colégio podiam contar sempre com os conselhos amigáveis da Sra. Garret, que em diversas ocasiões agia como mãe para que as garotas pudessem enfrentar seus problemas comuns de sua adolescência. Com o passar dos episódios a Sra. Garret foi promovida à nutricionista da escola e passou a trabalhar com outras meninas da própria escola.

A série que foi um misto de comédia e drama também trabalhou questões que eram tabus nos anos 80: racismo, casal interracial, suicídio, estupro, estereótipos de sexualidade, preconceito, dietas, deficiências, pobreza, divórcio, machismo, casamento na adolescência, aborto, morte, adoção, virgindade, câncer etc, tudo com muito humor nas partes certas; contou com 209 episódios. Apesar de não terem exibido todas as temporadas no Brasil, o que é uma pena. 

A série foi um spin-off de Diff’rent Strokes, pois Edna Garret era a governanta na casa do Sr. Drummond. Ela acabou saindo da série para estrelar Vivendo e Aprendendo

5. Os Monstros
(The Munsters, 1964-1966)

Os Monstros
Uma família formada por criaturas horripilantes, mas de grande coração e muito engraçadas. Humor-negro que não dá medo algum, apenas diverte. Os Monstros foi uma série de televisão, uma comédia cativante que narrava do dia-a-dia da família Monstros, que moravam num subúrbio de uma grande cidade, liderados pelo pai chamado Herman Monstro (tipo um 'frankenstein'), um típico trabalhador de classe média, que possuía uma figura medonha, mas era um sujeito muito medroso, ingênuo e por vezes, até bobalhão. Tinha também sua esposa Lily Munster; o vovô vampiro Grandpa Munster; o filho lobisomem Eddie Munster; e a sobrinha humana Marilyn.

Os monstros tinham um carro para toda a família e Vovô era dono de uma, digamos, baratinha, que tinha sobre o chassi um grande caixão. Na verdade, um caixão sobre rodas!

A família tinha também vários animais de estimação que esporadicamente apareciam: um morcego; um gato que em vez de miar, rugia; e um outro animal que vivia debaixo da escada com o nome de Carranca, que era só ouvido e nunca apareceu.

Geralmente as histórias ficavam em torno do espanto que a família provocava nos vizinhos ou em qualquer um que aparecesse para visitá-los. Marilyn, a sobrinha normal, era a que mais sofria por não parar com um só namorado. Os rapazes sempre fugiam desesperados quando conheciam a família da moça.

Os Monstros agiam como se não fossem diferentes. Herman chegou a fazer parte do time de basquete do bairro e só foi aceito por causa da sua altura. Em um episódio, um raio cai na cabeça de Herman e ele se torna um ser “horrível”, ou seja, um ser humano normal vivido pelo próprio ator Fred Gwynne sem maquiagem. Foi a única vez que o ator mostrou o rosto na série. Muitas confusões ficavam a cargo de Vovô, que sempre fazia poções mágicas para ajudar Eddie a ter companhias para brincar ou mesmo arrumar namorados para Marylin. Claro que o tiro sempre saía pela culatra. Era bastante divertido!

Curiosidade: O nome original (´Munsters´) faz um trocadilho com a palavra ´monstro´ (monster) em inglês, para soar como se eles fossem uma família exótica de um estranho país europeu. 

Segue um episódio que descobri no Youtube:


6. A Família Addams
(The Addams Family, 1964-1966)

A Família Addams
É um seriado dos anos 60 que apresenta uma família muito esquisita, que possui um humor mórbido e ama coisas assustadoras. O casal Gomez (John Astin) e Mortícia (Carolyn Jones), seus filhos Wandinha (Lisa Loring) e Feioso (Ken Weatherwax), o Tio Chico (Jackie Coogan), a Vovó (Blossom Rock), o primo Coisa (Felix Silla) e o mordomo Tropeço (Ted Cassidy) são os integrantes de A Família Addams (The Addams Family, 1964-1966), clássica série baseada nas tiras de jornal de Charles Addams (1912-1988), que mostravam uma excêntrica família que vive em uma mansão gótica.

Eles vivem em uma mansão gótica e são o oposto de todos os valores de felicidade que a sociedade impõe. A família Addams é comandada pelo casal Gómez e Mortícia que tem dois filhos: Vandinha (ou Quarta-feira) e Pugsley. O tio Féster, o primo Itt e o mordomo Lurch também fazem parte do clã Addams. Eles são muito ricos e independentes, por isso, são perseguidos por pessoas que ambicionam a fortuna que possuem. Mortícia e Gómez são um casal muito apaixonado e frequentemente dançam tango ao som de Vic Mizzy. A série teve um total de 64 episódios.

Surgiu na mesma época de ''Os Monstros'', estreiou alguns antes dessa. E apesar de Os Monstros e A Família Addams trabalharem com aspectos do humor negro-bizarro-fantástico-absurdo, são duas famílias que têm características distintas. Qual é a minha preferida? Eu não sei. Gostei de ter assistido as duas. Conseguia rir com as duas produções e aquelas situações bizarras. Entretanto, devo confessar que conhecia mais os Addams por causa dos filmes lançados. Mas no final, acabo sempre considerando as duas igualmente muito engraçadas e importantes. E vc que já conhece também as duas séries, qual a sua preferida?

Um dia desses vi a série passando na Rede Brasil, que atualmente é o único canal que transmite essas séries mais antigas.

7. A Feiticeira
(Bewitched, 1964-1972)

A Feiticeira
Samantha (interpretada por Elizabeth Montgomery) é um nome importante na sociedade das bruxas. Ela passou muitos séculos distante dos humanos, e assim que retornou, se apaixonou por um mortal chamado Darrin Stephens. Para tristeza da família de bruxos, Samantha desistiu da magia para levar uma vida simples como dona-de-casa, ao lado de Darrin e dos filhos Tabatha e Adam. Darrin (Dick York) é executivo de uma agência de publicidade e só ficou sabendo que havia se casado com uma feiticeira durante sua lua-de-mel, quando Sam revelou seu segredo. Darrin fez a jovem feiticeira prometer que viveria como mortal, sem usar truques ou influenciar o dia-dia das pessoas. Ela aceita a imposição, mas às vezes se rende a alguns truques para ajudar Darrin e a si mesma. No subúrbio de Morning Glory Circle, onde vive o casal, a vizinha Gladys Kravitz (Alice Pearce) passa o tempo todo tentando provar a verdadeira identidade de Samantha.

Essa mistura de personalidades dentre o elenco e a simplicidade das tramas são um dos destaques que fizeram com que Bewitched se tornasse um sucesso duradouro. Tanto que chegou a inspirar um filme baseado em sua história (estrelado por Nicole Kidman em 2005), só que diferente da série, o filme é bem ruim. Atualmente sempre é cogitado a série ganhar um remake. Quem sabe? Nessa era de remakes e reboots tudo é possível.

E então, você também acompanhou? Se não, vale a pena acompanhar os episódios dessa incrível série. Mesmo com o passar dos anos ela não fica datada, se tornando uma série para toda a família. E Mesmo se assistir os episódios fora de ordem e aleatoriamente, é impossível não sentir nenhum tipo de apego ou identificação com Samantha.

Eu já conhecia A Feiticeira antes de ir ao ar na Nick, foi lá na RedeTV! onde exibida quase todas as noites. 


8. Mork e Planeta Ork / Mork e Mindy
(Mork & Mindy, 1978-1982)

Mork & Mindy
Em Mork e Planeta Ork ou Mork & Mindy, Mork (interpretado por Robin Williams) é um alienígena que chega à Terra para estudar o planeta e acaba encontrando Mindy McConnell (Pam Dawber), que o ajuda a viver entre os humanos. Orson, o chefe de Mork, inscreve-o para estudar no planeta Terra. Depois de pousar numa floresta próxima a Boulder, no Colorado, ele conhece Mindy McConnell, que foi abandonada ali por seu namorado. De volta ao apartamento de Mindy, a moça descobre que Mork é um alienígena e o ajuda a viver com os terráqueos. Esta comédia contou com 95 episódios.

Além da história em si, as frases usadas por Mork, como “Na-nu Na-nu” (Sua forma de cumprimento), “Shazbot” ( “Que Droga!”), ou K.O. ao invés de O.K. foram muito usadas pelos jovens da época assim como o famoso suspensório colorido. Somando isso ao humor inteligente e um pouquinho safado, muitas vezes improvisado pelo próprio Robin Williams (Ele tinha liberdade de fazer o que quisesse em vários momentos) na hora da cena, as lições de ética de alguns episódios e o romance fofo entre o Mork e a Mindy, que acaba em um casamento muito engraçado desde sua proposta e com um filho que sai de um ovo chocado pelo Mork, é impossível não amar a série e fazer uma maratona com seus episódios. Com quatro temporadas ao todo, é recomendável para pessoas que não tenham problemas com um humor bem stand up e coisas absurdas para se alcançar um objetivo claro que era transformar Robin Williams em estrela. 

9. Primo Cruzado
(Perfect Strangers, 1986-1993)

Primo Cruzado
Quando o assunto é "comédia pastelão", Primo Cruzado era a pedida certa. Uma divertida série sobre a história de um primo da cidade grande e do primo vindo do interior. Primo Cruzado estreou em 1986 nos EUA e foi um grande sucesso até 1993. A série conta a história do solteirão Larry Appleton (interpretado por Mark Linn-Baker), um homem que está tardiamente se mudando para uma casa nova, longe da família, o típico sujeito certinho que mora sozinho no seu apartamento em Chicago. Ele tem o sonho de se tornar um fotógrafo jornalístico, mas trabalha numa loja. Até que um dia chega da Grécia seu estranhíssimo primo Balki, que veio aos EUA em busca dos seus parentes... Aqui no Brasil o ingênuo Balki ganhou o nome de primo Zeca e não veio da Grécia, e sim de Minas Gerais. É completamente matuto e tem um sotaque caipira. Todas as mudanças foram feitas para adaptar a série para uma realidade mais brasileira e o resultado final surpreendeu. A série foi um grande sucesso por aqui também e teve um total de 150 episódios.

Com certeza o diferencial foi a adaptação feita pela tradução e dublagem brasileira de forma brilhante, alterando o nome do primo, que era Balki e vinha da Grécia, para Zeca, um mineiro – o que tornou a série mais divertida para o público daqui. Se diferenciando de outras séries que tinha uma pegada mais americana.

10. Jeannie é um Gênio
(I Dream of Jeannie, 1965-1970)

Jennie é um Gênio
O seriado começa quando o major Anthony Nelson, durante uma missão frustrada da Nasa, foi parar em uma ilha do Pacífico. Lá, ele acaba encontrando uma garrafa enterrada na areia. Ao abri-la, uma fumaça toma a forma de uma bela garota digna das histórias das mil e uma noites: Jeannie (interpretada por Barbara Eden), uma 'gênio' aprisionada há centenas de anos por um gênio maligno.

Sem acreditar no que estava acontecendo, o astronauta prefere deixar a garrafa por lá mesmo. Mas a gênia dá um jeitinho de "empurrar" a garrafa para dentro da bagagem do Major Nelson antes dele ser salvo pela equipe de resgate e acaba indo com ele para a Praia dos Cocos, onde vive o major. A cena onde Tony Nelson encontra a garrafa de Jeannie foi filmada na praia de Zuma, em Malibu, Los Angeles.

As histórias eram invariavelmente em torno da personalidade tinhosa da gênia que, mesmo quando tentava ajudar o amo, entendia as ordens todas ao contrário, o que dava margens a histórias pra lá de hilárias peripécias da geniazinha que nos fazia morrer de rir. Num dos episódios Roger descobre que Jeannie é uma gênia, e se transforma no novo amo dela, roubando a garrafa e a trancando em um cofre. Para recuperar Jeannie, Tony faz seus superiores na NASA acreditarem que o novo rico Roger está envolvido em atividades ilícitas. Para não ser preso e poder continuar no programa espacial, Roger devolve Jeannie com a condição de apagar tudo o que aconteceu.

Em outra aventura há um furacão na Praia dos Cocos. O Dr. Bellows e Roger têm que passar a noite na casa dos Nelson. Tony e Roger fazem de tudo para evitar que Jeannie use sua mágica. 
Curiosidade: Esse episódio estava programado para ser o final da série, com o Dr. Bellows descobrindo toda a verdade a respeito de Jeannie e Tony se demitindo do programa espacial. Porém os autores sabiam que os produtores poderiam colocar o episódio no ar antes do término da série e, como seria muito estranho Tony aparecer na base depois de ter se demitido, optaram por usar a velha seqüência do "Era apenas um sonho". Jeannie é um Gênio" seguiu seu caminho emplacando cinco temporadas, foram produzidos 139 episódios.

11. Agente 86
(Get Smart, 1965-1970)

Agente 86
A série do agente mais delirante da televisão. Efetivamente, o temível mestre da espionagem Maxwell Smart voltou à tela e desta vez, para ficar. Nascida como uma paródia aos filmes e séries de espionagem de tempos da guerra fria, em 18 de setembro de 1965 entrou no ar pela primeira vez na NBC "Get Smart", série que o público conheceria em português como Agente 86. Nasce assim a melhor comédia da tevê. 

O agente tinha um código: 86, por isso por aqui ela foi batizada de ''Agente 86'' os brasileiros aprenderam a chamá-lo de Agente 86.

As aventuras de "86" retratam um espião trapalhão, sempre ajudado por uma bonita agente, cujo código é 99. Ambos trabalham para uma organização secreta chamada "CONTROLE". Lá recebem missões de um chefe, que durante muito tempo foi chamado apenas de "Chefe". Vários episódios depois, soube-se que seu nome era Thaddeus). A principal função do "CONTROLE" é combater os vilões que trabalham para uma organização secreta e criminosa chamada "KAOS" (assim como James Bond lutava contra a "Spectre" e O Agente da UNCLE contra a "Thrush").

Há toda uma coleção de equipamentos e armas secretas fornecidos pelo "CONTROLE", como o incrível e famoso "sapato-fone" de Max ou o hilário "cone do silêncio", uma cúpula de acrílico instalada na sala do chefe, sob a qual as pessoas podem conversar e não serem ouvidos por ninguém. O engraçado é que ninguém acaba se ouvindo lá dentro também.

As famosas frases de 86: "Desculpe por isso, chefe!", "...e vou adorar!", "O velho truque..." e "Você acreditaria se...?".

12. Kenan e Kel
(Kenan & Kel, 1997-2000)

Kenan & Kel
Já falei de Kenan e Kel em outro post de séries da Nick. Foi um dos maiores sucessos da Nick. Kenan Rockmore (interpretado por Kenan Thompson) é um estudante de ensino médio que trabalha no Mini-Mercado Rigby's. Kel Kimble (interpretado por Kel Mitchel) é o melhor amigo de Kenan que é apaixonado por refrigerante de laranja. Chris Potter (Dan Frischman) é o chefe de Kenan na Rigby's. Na casa dele, moram sua mãe Sheryl (Teal Marchande), seu pai Roger (Ken Foree) e sua irmã Kyra (Vanessa Baden), que tem uma paixão por Kel. 

Kenan é o melhor amigo de Kel. Ele é bem esperto, mas raramente cumpre com suas tarefas escolares. Em vez disso, passa seu tempo inventando planos malucos. Já, Kel é o melhor amigo de Kenan. Ele é muito desajeitado, impulsivo, ingênuo e propenso a acidentes! Apesar de tudo isso, Kel é realmente muito inteligente, mas não costuma mostrar isso! Ele é um pintor incrível, um excelente violinista, um rapper e faz muito bem na escola (ao contrário de Kenan). Kel adora refrigerante de laranja e presunto, mas tem medo de panquecas, borboletas, sutiãs, voadores, Berlim e macacos. Seu slogan é "AWWWW, Vamos nessa!".

-

Bem, essas foram algumas séries exibidas no Nick at Nite. Em seus últimos anos também foram ao ar lá Drake & Josh, Normal Demais, Alexandra Princesa do Rock, os famosos Nicktoons (que inclusive já falei no outro post sobre séries da Nick.), entre outros. 

Após 9 anos de transmissão ininterrupta na Nickelodeon, o Nick at Nite chegou ao fim em 31 de dezembro de 2014. De 2006 a 2010 o bloco foi dedicado exclusivamente à exibição de comédias clássicas das décadas dos anos 50 aos anos 90. Então, a partir de 2010 o bloco foi alterado mais uma vez, onde passou a exibir atrações originais da Nickelodeon, divindo espaço com algumas séries clássicas, até elas serem removidas do bloco por completo. Mais tarde, novos conteúdos foram adicionados no bloco, como séries mais atuais finalizadas ou canceladas do canal e os nicktoons, criando um novo tema para o bloco: a repetição de séries de sucesso ou séries malsucedidas da rede e exibição das animações. Já nos Estados Unidos, o Nick at Nite continua vivinho da silva, além de ter também começado como um bloco e acabou evoluindo para um canal de TV próprio.

Alguém mais aí lembra dessas séries? Comente, compartilhe sua saudade por elas e pelo antigo bloco ''Nick at Nite''. Até mais!
SHARE:

3 comentários

  1. Eu frequentemente me pego assistindo as vinhetas e programas da Nick at Nite. Fez parte de muitas noites mal dormidas e finais de rolê com os amigos. Deixou muitas saudades.
    Curtia muito A Família Addams (que eu sempre achei melhor que Os Monstros) e Mork & Mindy.

    Bons tempos de N@N

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal! Bom saber que alguém ainda lembro do bloco. Na época eu assistia de teimoso, pois estudava cedo e precisava acordar mto cedo para ir a aula, mas mesmo assim eu tentava assistir. hahaha. Cara, eu gostava mto do Maluco no Pedaço (que vez ou outra ainda assisto), Alf, Arnold e Vivendo e Aprendendo. Sem dúvidas, deixou saudade mesmo.

      Excluir
  2. Memoráveis as séries. Assisto Jeannie é um gênio e acho uma série muito divertida.
    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Blog Layout Designed by pipdig