Para Ler, Ver e Ouvir!

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Filme #77 – Regras da Vida (The Cider House Rules, 1999)

Um menino protegido por um gentil médico que dirige um orfanato no Maine descobre o mundo, mas a realidade logo se torna uma intrusa em seu idealismo juvenil e certeza moral. ''The Cider House Rules'' (Regras da Vida, título no Brasil) é o filme de #77 no blog.

Baseado no best-seller de John Irving, a história de Homer Wells (interpretado por Tobey Maguire), um garoto sem parentes que passa a ter como mentor um médico de um orfanato, Dr. Wilbur Larch (interpretado por Michael Caine). o Dr. Larch ensina a Homer tudo o que sabe sobre medicina e a diferença entre certo e errado, mas nunca o ensinou as regras da vida propriamente ditas. Quando Homer sai para descobrir o mundo, ele mais excitante do que jamais imaginara, especialmente quando se apaixona pela primeira vez. Entretanto, quando forçado a tomar decisões que irão influir para sempre em sua vida, percebe que no final das contas a vida pode não ser tão bela quanto imaginava, e que não pode fugir de seu passado.

Homer cria-se em um orfanato do Maine, tendo por pai adotivo o médico da instituição, Wilbur Larch, na mente, histórias de Charles Dickens sobre crescer, tornar-se homem, tomar o destino em suas mãos. Temos então um filme de grandes temas: a orfandade, a descoberta da vida, o desejo e suas surpresas. Também haverá temas menores, que na verdade seriam os mais interessantes - como o aborto, as drogas (e seu uso por médicos).

The Cider House Rules (1999)

Homer é também assistente de Larch e convive com a realidade deprimente do orfanato: mães que abandonam os filhos após dar à luz, crianças adotadas por estranhas criaturas, outras que sucumbem às próprias fraquezas etc. Já adulto, Homer decide pegar carona com Wally (interpretado por Paul Rudd), um tenente do exército norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial, e a namorada dele, Candy (interpretada por Charlize Theron), uma das "aliviadas" (fez aborto) do dr. Larch, e vai se tornar colhedor de maçãs. Enquanto no orfanato as paredes e as normas o protegiam, fora dele Homer vai descobrir que o mundo exige que as pessoas criem suas próprias regras todos os dias para poder sobreviver e que, mesmo assim, viver não é seguro.

Ao acompanhar as aventuras de Homer, somos colocados em um ambiente sedutor, pois aprendemos junto com o personagem e sentimos a vida passar por nossos olhos, presenciamos coisas ruins e coisas boas, sofremos e nos alegramos, tudo em seu tempo. A graça da premissa, está no fato de nos identificarmos com a vida de um homem diferente, que nunca deixou um orfanato até sua idade adulta, mas que no fim passa pelas mesmas coisas que nós, ou até mais marcantes. O roteiro também nos coloca frente a situações complicadas, difíceis de serem definidas apenas como certo ou o errado, pois assim como nós, os personagens também são hipócritas de certo modo, e portanto não são perfeitos. E essa imperfeição é talvez a maior perfeição do filme e sua história. Além de conter uma linda trilha sonora. O que é aquele instrumental que introduz o filme e o acompanha durante todo o filme? Perfeito. Recomendo!
SHARE:

Nenhum comentário

Postar um comentário

Blog Layout Designed by pipdig