Filme #71 – 12 Years a Slave (2013) - O Planeta Alternativo

sábado, 16 de março de 2019

Filme #71 – 12 Years a Slave (2013)

Em 1841, Solomon Northup é um negro livre, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Ao longo de doze anos de escravidão, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. 12 Years a Slave (12 Anos de Escravidão, título no Brasil) é o filme de #71 aqui no blog.

Solomon Northup (interpretado por Chiwetel Ejiofor) era um escravo que já tinha conquistado sua liberdade e vivia em Nova Iorque com sua esposa e seus dois filhos. Solomon, que levava um vida tranquila ao lado de sua família e alternava nas atividades de carpinteiro e violinista, é traído pelo próprio talento na música, e no ano de 1841 é sequestrado e depois vendido, obrigado a viver com um escravo e trabalhar em uma plantação no estado de Lousiana.

Separado de sua família e sem direito a recorrer por sua liberdade, Solomon Northup recebe dos vendedores de escravos o nome de Platt, sem alternativas e lutando por sua sobrevivência, o mesmo incorpora o personagem e começa a viver uma vida que não lhe pertence. Tendo de passar 12 anos vivendo uma mentira e escondendo ser um homem estudado e inteligente, Solomon recebe em sua pele as piores marcas que um ser humano é capaz de suportar. Tendo sua confiança traída algumas vezes, Solomon ou Platt, não perde a esperança de arrumar uma maneira de avisar sua família do ocorrido e clamar por salvação.

12 Years a Slave

Solomon Northup (1808-1863) publicou em 1853 o livro "Twelve Years a Slave". Ele foi ainda um forte aliado contra a escravidão nos Estados Unidos, fazendo denúncias e ajudando aqueles que estavam passando pelo que ele passou como escravo.

Com direção do consagrado diretor Steve McQueen, o filme instiga os sentimentos mais perturbadores do homem, impossível permanecer indiferente a história de sofrimento vivida não apenas por Platt, mas por todos os escravos que fazem parte da trama. O que torna tudo ainda mais revoltante, é saber que não foi algo produzido apenas para a ficção e que todas as condições subumanas as quais eram submetidos os negros, aconteceram realmente. Numa época onde a única lei que existia era a lei dos homens brancos.


Em 2 de março de 2014, na 86ª edição do Oscar, o longa foi indicado em 9 categorias e venceu 3 prêmios, o de Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (para a atriz Lupita Nyong'o) e Melhor Roteiro Adaptado. É um dos melhores filmes que assisti nos últimos anos. Um filme muito forte e impactante. Me emocionei muito quando os créditos finais começaram a subir. Uma história cruel, mas necessária e que tem que ser vista, nunca pode ser esquecida, para que nunca volte a acontecer e os casos atuais sejam combatidos. Recomendo! 

5 comentários:

  1. Eu preciso de rever este filme, pois vi apenas quando foi lançado e já não me recordo muito bem...

    ResponderExcluir
  2. Li sua resenha e assisti o trailer, confesso que estou bem impactada com a história após conferir esses post, já salvei o filme na minha lista e quero muito assistir, parece um filme realmente necessário, do tipo que deveria ser passado nas escolas para os alunos entenderem o a barbárie que foi a escravidão.

    www.estante450.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Filmaço!!!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Oie!
    Assisti esse filme recentemente também, e realmente é um filme muito impactante, que mexeu muito comigo. O filme traz uma sensação de desespero tão grande diante da situação vivida por Solomon, e por não ter nada que ele pudesse fazer para contar a verdade... é triste, e não apenas o que acontece com ele, mas também com os outros escravos, especialmente com a personagem da Lupita, e a cena final com ela é de cortar o coração demaaaais!!

    Bjus
    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  5. Um excelente filme. Gostei de você ter relembrado dele.
    Boa semana!


    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir