Para Ler, Ver e Ouvir!

sábado, 16 de março de 2019

Filme #71 – 12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave, 2013)

Em 1841, Solomon Northup é um negro livre, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Ao longo de doze anos de escravidão, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. 12 Years a Slave (12 Anos de Escravidão, título no Brasil) é o filme de #71 aqui no blog.

Solomon Northup (interpretado por Chiwetel Ejiofor) era um escravo que já tinha conquistado sua liberdade e vivia em Nova Iorque com sua esposa e seus dois filhos. Solomon, que levava um vida tranquila ao lado de sua família e alternava nas atividades de carpinteiro e violinista, é traído pelo próprio talento na música, e no ano de 1841 é sequestrado e depois vendido, obrigado a viver com um escravo e trabalhar em uma plantação no estado de Lousiana.

Separado de sua família e sem direito a recorrer por sua liberdade, Solomon Northup recebe dos vendedores de escravos o nome de Platt, sem alternativas e lutando por sua sobrevivência, o mesmo incorpora o personagem e começa a viver uma vida que não lhe pertence. Tendo de passar 12 anos vivendo uma mentira e escondendo ser um homem estudado e inteligente, Solomon recebe em sua pele as piores marcas que um ser humano é capaz de suportar. Tendo sua confiança traída algumas vezes, Solomon ou Platt, não perde a esperança de arrumar uma maneira de avisar sua família do ocorrido e clamar por salvação.

12 Years a Slave

Solomon Northup (1808-1863) publicou em 1853 o livro "Twelve Years a Slave". Ele foi ainda um forte aliado contra a escravidão nos Estados Unidos, fazendo denúncias e ajudando aqueles que estavam passando pelo que ele passou como escravo.

Com direção do consagrado diretor Steve McQueen, o filme instiga os sentimentos mais perturbadores do homem, impossível permanecer indiferente a história de sofrimento vivida não apenas por Platt, mas por todos os escravos que fazem parte da trama. O que torna tudo ainda mais revoltante, é saber que não foi algo produzido apenas para a ficção e que todas as condições subumanas as quais eram submetidos os negros, aconteceram realmente. Numa época onde a única lei que existia era a lei dos homens brancos.


Em 2 de março de 2014, na 86ª edição do Oscar, o longa foi indicado em 9 categorias e venceu 3 prêmios, o de Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (para a atriz Lupita Nyong'o) e Melhor Roteiro Adaptado. É um dos melhores filmes que assisti nos últimos anos. Um filme muito forte e impactante. Me emocionei muito quando os créditos finais começaram a subir. Uma história cruel, mas necessária e que tem que ser vista, nunca pode ser esquecida, para que nunca volte a acontecer e os casos atuais sejam combatidos. Recomendo! 
SHARE:

5 comentários

  1. Eu preciso de rever este filme, pois vi apenas quando foi lançado e já não me recordo muito bem...

    ResponderExcluir
  2. Li sua resenha e assisti o trailer, confesso que estou bem impactada com a história após conferir esses post, já salvei o filme na minha lista e quero muito assistir, parece um filme realmente necessário, do tipo que deveria ser passado nas escolas para os alunos entenderem o a barbárie que foi a escravidão.

    www.estante450.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Filmaço!!!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Oie!
    Assisti esse filme recentemente também, e realmente é um filme muito impactante, que mexeu muito comigo. O filme traz uma sensação de desespero tão grande diante da situação vivida por Solomon, e por não ter nada que ele pudesse fazer para contar a verdade... é triste, e não apenas o que acontece com ele, mas também com os outros escravos, especialmente com a personagem da Lupita, e a cena final com ela é de cortar o coração demaaaais!!

    Bjus
    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  5. Um excelente filme. Gostei de você ter relembrado dele.
    Boa semana!


    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Blog Layout Designed by pipdig