Para Ler, Ver e Ouvir!

segunda-feira, 4 de março de 2019

Filme #68 – Mergulho em um Paixão (Wild Hearts Can't Be Broken, 1991)

A história real de uma órfã determinada, que corre atrás de seus sonhos e vira uma mergulhadora de cavalos. Em #68 Filme decidi escrever sobre Wild Hearts Can't Be Broken.

Um filme de Steve Miner. O filme é levemente baseado na história real de Sonora Webster (1904-2003), uma artista norte-americana, mais notória por ser uma das primeiras mulheres a fazer o mergulho com cavalos.

Dos estúdios de Walt Disney, a história de Wild Hearts Can't Be Broken (Mergulho em uma Paixão, título no Brasil) se passa em 1931, em meio a Grande Depressão que abalou o mundo e deixou na miséria boa parte da população. Nessa época a jovem Sonora Webster (interpretada por Gabrielle Anwar) foi obrigada a morar com a tia após a morte de seus pais. A tia por sua vez irrita-se com facilidade com as travessuras da menina, não compreendendo que seus atos são sempre repletos de obstinação e perseverança, sendo assim não suportando mais suas desobediências decide que não irá mais criá-la, resultado: Sonora foge de casa em busca de algo maior, de seus sonhos.

Wild Hearts Can't Be Broken

Depois de andar muito, Sonora encontra um circo que está apresentando alguns espetáculos e vê a chance de mudar sua vida. Ela decide pedir um emprego ao Doctor Carver (interpretado por Cliff Robertson). Devido a persistência da garota, o Doctor Carver deixa ela ficar para trabalhar em sua fazenda, mas o filho do dono do espetáculo, Al Carver (interpretado por Michael Schoeffing), se compadece e decide ajudar Sonora a se tornar a maior mergulhadora de todos os tempos, ajudando nos treinos com um cavalo recém-chegado na propriedade. Em meio a tudo isso, ela acaba sofrendo um acidente é quando ela decide enfrentar seu maior desafio.

Um dia ao saltar com outro cavalo que não era o cavalo de costume, Sonora acaba caindo na água de olhos abertos, o que a torna cega pelo resto de sua vida. Inconformada em permanecer nos bastidores e sentindo muita falta dos espetáculos, Sonora volta aos mergulhos mesmo cega, superando as adversidades e a incredulidade de todos, até mesmo de seu marido, o filho do idealizador do número. E assim ela permanece por mais 11 anos mergulhando às cegas.

O filme traz uma linda e comovente história, passando a mensagem de persistência, determinação e superação, nos mostrando que através de Sonora quem somos a partir das nossas decisões. Recomendo!

Visto na Netflix em 02/03/2019
SHARE:

Um comentário

  1. Deve ser um filme cheio de lições. Adorei sua resenha.
    Bom restante de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Voltamos do hiatus com bons conteúdos.

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Blog Layout Designed by pipdig