Falando Sobre Filme – #38: Harriet the Spy (1996) - O Planeta Alternativo: Um pouco disso, um pouco daquilo – e muita música!

sábado, 7 de julho de 2018

Falando Sobre Filme – #38: Harriet the Spy (1996)

Opa! Tudo bem pessoal? Mais um Falando Sobre Filme de #38. Não estranhe se as próximas postagens for apenas sobre filmes, como estou de férias tô aproveitando pra rever alguns filmes e assistir outros para futuras resenhas aqui do blog. Hoje decidi escrever sobre ''Harriet the Spy'' um filme que foi um dos que me influenciou na leitura e escrita. Apesar de ter uma historinha mediana, ele ficou marcado.

É difícil acreditar que já tenha se passado mais de 20 anos desde que uma garota de 11 anos de idade, em um casaco de chuva amarelado, atravessou a cidade anotando segredos e inspirando outras crianças do mundo a fazer o mesmo. Assim como todo o elenco, eu também tô velho, mas decidi escrever sobre esse filme que fez parte da minha infância.

Harriet the Spy 

O filme é baseado em um livro homônimo lançado em 1964 pela novelista americana Louise Fitzhugh, que por sinal eu comprei há alguns anos por causa do filme. Harriet M. Welsch (interpretada por Michelle Trachtenberg), aos 11 anos de idade é uma garota que espiona a vida de seus vizinhos e dos colegas de 6ª série e faz anotações num diário, assim coletando todos os segredos possíveis das pessoas a seu redor. Ela sonha em ser uma espiã de verdade e também uma escritora. Golly (interpretada por Rosie O'Donnell) é sua babá e sua melhor amiga, a incentiva a começar escrevendo tudo o que visse. Harriet então escreve suas impressões (que nem sempre são boas) sobre todo mundo, até sobre seus melhores amigos Sport (interpretado por Gregory Smith) e Janie (interpretada por Vanessa Lee Chester). Tudo é muito divertido nas aventuras de Harriet espionando vizinhos e escrevendo sobre seus colegas. Até que Golly pede demissão e sua vida começa a mudar. Certo dia, sua inimiga da escola Marion Hawthorne (interpretada por Charlotte Sullivan) pega o caderno e o lê as anotações para todos da classe. Até que seus amigos não gostam nem um pouco do que ela escreveu. Harriet perde todos os amigos - que recupera mais tarde, claro. Como crianças sabem ser cruéis, seus colegas criam um pequeno ''clube'' para atormentar a pobre Harriet, e se vendo sozinha ela também resolve retribuir. Harriet aprende com seus erros, e consegue dar um jeito na situação.

Lançado em 1996 com direção de Bronwen Hughes, foi o primeiro filme produzido pelo Nickelodeon que reuniu todos os elementos que esse canal de TV costuma servir: muita movimentação, boa trilha-sonora, atores mirins competentes. Isso reflete muito a atmosfera do canal durante os anos 90, onde a maioria de seus programas, voltados para o público infantil e pré-adolescente, tinha crianças fortes e inteligentes como protagonistas que apesar da sua profundidade emocional se ocupavam com molecagens e atividades próprias da idade, a programação do canal na época não subestimava o público infantil, e Harriet não é exceção. ''A Pequena Espiã'' provavelmente teve orçamento modesto se comparado a uma produção atual da Nickelodeon, mas, na minha humilde opinião isso não afeta em nada a sua qualidade, a estética do filme sempre me chamou muita atenção, e agora não foi diferente.

Harriet the Spy

Um filme foi feliz e interessante, pois retratou também de uma maneira bastante verdadeira os conflitos da pré-adolescência e a tentativa de aceitação em um meio social. Nisso, o roteiro não hesita sequer em ser cruel. Destaque para a boa atuação da até então atriz mirim Michelle Trachtenberg como a protagonista, os figurinos e a trilha sonora que mesclou jazz e mambo. Com certeza está na lista dos meus filmes favoritos da infância. 

Assisti ao filme ''A Pequena Espiã'' na Sessão da Tarde (quando a Globo passava filmes legais) há vários anos, lembro que a primeira vez que assisti me bateu um desejo de virar um espião também, assim como Harriet no filme peguei um caderno e comecei a anotar tudo que acontecia ao meu redor, incluindo situações da escola. Claro que isso nunca saiu do controle, como de Harriet no filme, mas serviu como um incentivo para escrever e praticar mais leitura.

Filme revisto em 07/07/2018 no Paramount Channel.

2 comentários:

  1. Adorei a resenha! O filme é um dos meus favoritos e super me incentivou a escrever quando eu tinha só 12 anos (hoje tenho quase 18).
    Onde você o assistiu? Tenho procurado online, mas sem sucesso :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Wagner! Cara, eu revi o filme nessa madrugada do dia 7/7/18 no canal Paramount mesmo. Inclusive fiz a gravação do filme para meu acervo pessoal. Infelizmente no momento não tenho como disponibilizar, realmente é um filme bem raro de se encontrar pra download.

      Excluir